Ocupar a Política | Conheça as candidaturas do MTST para disputar e vencer as eleições

MTST lança candidaturas para a prefeitura de SP e vereança de SP, Guarulhos e ABC

Envolva-se nas campanhas e ajude a eleger o nosso povo e nossas bandeiras

O MTST reconheceu, já há algum tempo, que para avançar na luta pelos direitos do povo mais pobre é importante ocupar não apenas terrenos vazios e improdutivos, mas também ocupar a política institucional. E, uma vez dentro desses espaços, lutar com ainda mais força por moradia, saúde, educação e transporte.

Em 2018 já havíamos lançado a primeira candidatura sem-teto à presidência na história do Brasil. Em 2020 vamos seguir na disputa, agora concorrendo à prefeitura de São Paulo e vagas nas Câmaras Municipais da capital paulista, Santo André, São Bernardo e Guarulhos. Para isso, é fundamental que a nossa militância e todos e todas que fazem parte do MTST também estejam engajados na batalha.

Para chegar até aqui foram necessários muitos debates e a aprovação de todas as candidaturas por parte da nossa coordenação estadual e nacional, além da apresentação dos e das candidatas, e suas propostas, durante os encontros da militância.

O MTST também elaborou uma cartilha de princípios e deveres para quem vai concorrer. É importantíssimo saber que nossas candidaturas são construídas coletivamente, com o compromisso assumido perante o nosso movimento e as pessoas que o integram. Afinal, a luta é pra valer!

Guilherme Boulos e Erundina (PSOL), candidatos à Prefeitura de São Paulo – 50

Esse ano, mais uma vez, teremos o desafio de ocupar a política e, agora, disputar a prefeitura da maior cidade do país. Vamos aliar a força do principal movimento social urbano, o MTST, com a experiência da melhor prefeita que São Paulo já teve, Luiza Erundina, e a radicalidade do PSOL — partido parceiro, presente em todas as nossas lutas.

Com a candidatura do nosso coordenador Guilherme Boulos e Erundina, levaremos às ruas a proposta de transformar a sociedade e mostrar, mais uma vez, que com mobilização e um projeto popular é possível sonhar e propor mudanças estruturais, de verdade.

A eleição para prefeito de São Paulo também é um momento importante de confrontar o projeto de destruição de Bolsonaro, de João Doria e do atual prefeito Bruno Covas. Estaremos nas ruas e contamos com o apoio e envolvimento de toda a militância do MTST nessa jornada!

Andreia Barbosa (PSOL), candidata à Câmara de Santo André – 50.456

Negra, trabalhadora e coordenadora estadual do MTST, Andreia Barbosa é uma mulher guerreira que, aos 36 anos, tem cinco filhos e uma netinha. A vida fez de Andreia viúva ainda jovem, quando teve de ralar muito para sustentar a família e entrar, também, para a luta política. Em 2014, a necessidade de moradia digna levou Andreia à Ocupação Copa do Povo, onde se apaixonou pela organização e mobilização por direitos e uma sociedade mais justa.

Quem via Andreia, já em 2017, coordenando a maior ocupação da América Latina — a Povo Sem Medo de São Bernardo, com 11 mil famílias — sabia que ela havia nascido para liderar. Em 2018 Andreia conquistou sua moradia no Condomínio Novo Pinheirinho, junto de centenas de famílias do MTST. Agora ela quer levar sua experiência de vida e de luta na realização dos sonhos do povo de Santo André.

Dalecio (PT), candidato à Câmara de São Bernardo do Campo – 13.616

Coordenador estadual do MTST, Anderson Dalecio passou a se envolver com política cedo, ajudando jovens carentes do bairro Montanhão, em São Bernardo, em escolinhas de futebol. Já como metalúrgico, filiou-se ao PT, onde integrou a executiva municipal, foi coordenador do setorial de saúde, além de conselheiro-gestor na UPA Rudge Ramos, conselheiro de saúde e educação, e assessor de vereadores e deputados.

Em 2017 Dalecio encontrou — e se encontrou — no MTST e na Ocupação Povo Sem Medo de São Bernardo um novo sentido e mais fôlego pra continuar na luta, agora com foco na moradia. Marido, pai e filho de pessoas idosas, também sente na carne aquilo que todas as famílias do ABC, independente de suas configurações, passam para serem plenamente respeitadas.

JUNTAS (PSOL), candidatura coletiva à Câmara de São Paulo – 50.400

JUNTAS  é uma chapa coletiva de três mulheres negras, feministas, antirracistas e periféricas. Jussara Basso, Débora Lima e Tuca (Valdirene Cardoso) são lideranças do MTST de São Paulo que, JUNTAS, querem ocupar a Câmara dos Vereadores de São Paulo como uma alternativa real à política tradicional, que tanto ignora as necessidades dos mais pobres. As JUNTAS são:

Jussara Basso

Mulher negra, feminista, periférica e do candomblé, é uma das principais referências na luta pelo direito à moradia na zona sul. Mãe solteira, trabalha desde os 14 anos para garantir o sustento de casa e passar longe da fome que um dia já enfrentou. Há oito anos no MTST, ela coordena a maior ocupação urbana da América Latina atualmente, a Vila Nova Palestina. Jussara não tem medo de trabalhar pela solução dos problemas das periferias: o fim da discriminação social e racial, o acesso a equipamentos públicos e direitos sociais para todos e todas.

Débora Lima

Desde que começou sua luta pessoal por moradia, Débora Lima entendeu que a causa era muito maior. Mãe negra e solteira, formada em Matemática, ela milita no MTST há oito anos, coordenando a Ocupação Marielle Vive, na zona norte. Débora levanta a bandeira da moradia popular e dos direitos sociais para a população negra e periférica.

Tuca

Tuca marca presença onde chega. Foi assim quando conheceu o MTST, em 2015. Logo estava à frente da Ocupação Copa do Povo, na zona leste, onde coordena a luta por moradia e acesso a serviços públicos de qualidade. Mãe solteira e avó, Tuca trabalha para que todas as mulheres periféricas e negras, como ela, sejam cada vez mais protagonistas de suas vidas e do futuro da cidade.

Zelídio Barbosa (PT), candidato à Câmara de Guarulhos – 13.050

Zelídio aprendeu desde cedo a importância de se colocar no lugar do próximo. Aos 12 anos foi estudar e trabalhar junto da irmã, quando vivenciou de perto os efeitos da falta de políticas públicas na periferia. Começou a militar com 17 anos e, em pouco tempo, virou o “Zelídio da Moradia” — atuando em diversas lutas contra despejos e pelo estabelecimento de comunidades. Virou liderança e reverteu reintegrações em diferentes bairros.

Logo se juntou ao MTST, atuando nas ocupações Copa do Povo, Oziel Alves, Dandara, Rosa Luxemburgo, até chegar a Guarulhos. Em 2016, Zelídio coordenou a Ocupação Hugo Chávez e, em 2017, a Povo Sem Medo de Guarulhos, além de promover lutas por saúde, educação, cultura e, claro, moradia. Atualmente acompanha 42 comunidades guarulhenses em processo de reintegração de posse. Zelídio da Moradia acredita no poder da unidade popular na hora de reivindicar e conquistar melhorias.

 

MTST, A LUTA É PRA VALER!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *