Truculência contra candidata do PSOL | PM saca arma dentro das barcas, entre Niterói e Rio, e apreende material eleitoral

“Arma mata”, gritaram militantes do PSOL. “Ideologia mata mais”, respondeu policial

Fotografia de Bruno Kaiuca mostra o policial segurando a arma dentro das barcas

No primeiro dia previsto pelo calendário eleitoral para campanhas nas ruas, o fotógrafo do Jornal do Brasil, Bruno Kaiuca, registrou um tumulto entre um PM e a vereadora de Niterói e candidata à deputada federal pelo PSOL Talíria Petrone, dentro da barca que faz o trajeto Rio-Niterói. A ação do policial envolvia o material de campanha de Talíria Petrone. O PM chegou a sacar sua arma durante o tumulto, o que causou a reação dos militantes. “Arma mata”, gritaram. “Ideologia mata mais”, respondeu o PM. O registro do fotógrafo do Jornal do Brasil foi apreendido pelo PM, encaminhado à 4ª Delegacia de Polícia e depois liberado.

O PM teria alertado à equipe psolista de que não era permitido panfletagem dentro do transporte público. O policial sacou a arma e gritou “senta aí!”. “Prendo se preciso for, sou policial” disse em outro momento. A vereadora reagiu: “Chega, chega, o senhor está equivocado.” Uma mulher reforçou: “Ele pegou uma arma, ele nos ameaçou”. O policial novamente ordenou: “Deixa isso aí”, fazendo possível referência ao material de campanha. Outra disse: “Deixa aí, porque arma mata”. E o policial respondeu: “Ideologia mata mais”.

Sobre o incidente

Por volta das 9h, uma forte discussão chamou a atenção do repórter cinematográfico do JB, que fez o registro com fotografia e vídeo. “Eu estava indo para uma pauta quando percebi o tumulto e o instinto de repórter me fez ir atrás do ocorrido”, explica Bruno Kaiuca.

Agente do Centro Presente com o material da candidata a deputada federal Talíria Petrone | Foto por Bruno Kaiuca/Jornal do Brasil

As imagens mostram que o PM, um sargento ainda não identificado, abordava de forma veemente a candidata à deputada federal pelo Psol e sua equipe, e questionava a vereadora sobre o motivo de ela estar com o material de campanha. O vídeo também mostra o policial sacando a arma para intimidar os psolistas. Populares se levantaram e se manifestaram contra a ação do PM.

O material de trabalho, o crachá e o RG do fotógrafo do Jornal do Brasil foram apreendidos pelo PM. Bruno Kaiuca conta que acompanhou o PM até a delegacia para reaver seus pertences, com agentes do Centro Presente. “Eu estava registrando o episódio e o PM arrancou meu crachá e meu RG”, relata. Mais tarde, Bruno recuperou os documentos e o material gravado e fotografado.

Vereadora do PSOL repudia ação da PM

Nas redes sociais, vereadora Talíria repudiouação do agente da polícia militar

Nas redes sociais, a vereadora do Psol, que é candidata a deputada federal, repudiou a ação do agente policial e disse que foi  “vítima de abuso policial”. “Estávamos, eu e mais quatro companheiras, nos preparando para tirar uma selfie, segurando um panfleto, animadas para divulgar nossos sonhos. No momento da foto, um policial militar nos abordou de forma extremamente violenta, batendo no meu telefone e dizendo que não podíamos fazer aquilo ali. Apreendeu nossos materiais, que apenas carregávamos para panfletagem que faríamos na praça XV”, escreveu Talíria Petrone no Facebook.

A vereadora do PSOL também questionou a forma como foi abordada: “Se comigo, com a gente, foi assim, imagina na favela, com pobre e preto. Não passarão com seu ódio. Seguimos em luta”.

Posição da PM e da CCR

Jornal do Brasil entrou em contato com a assessoria de imprensa da Polícia Militar, que ficou de divulgar uma posição sobre o fato.

Já a CCR Barcas afirmou que não é permitido distribuição de material de campanha eleitoral dentro das embarcações e das estações, segundo determinação do TSE.

 

 

Fonte: Jornal do Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *