“Não Repara a Bagunça”: Curta-metragem da Pública retrata o déficit habitacional; Assista

Por meio de quatro histórias que procuram retratar o déficit habitacional na região metropolitana de São Paulo, a Agência Pública de Reportagem e Jornalismo Investigativo produziu um curta-metragem ilustrado por lutadores e lutadoras, recheado de estatísticas sobre o problema da falta de moradia em nosso país.

João Pedro, trabalhador informal que vive há 5 anos sob uma ponte da marginal Tietê, na zona leste paulistana, é uma das 15 mil pessoas que se encontram em situação de rua, apenas na cidade de São Paulo. O período de 2000 a 2015 representou um aumento de 82% dessa parcela da população.

Rosimeire de Brito Silva, liderança da Frente de Luta por Moradia (FLM), e Gislene Macedo Moreira, ambulante e doméstica, representam aqueles e aquelas que ocupam prédios ociosos, especialmente no centro da capital. Estima-se em mais de 526 mil domicílios vagos com potencial de ocupação na região metropolitana — quantidade suficiente para cobrir cerca de 84% da demanda habitacional. Rosilene e Gislene foram recentemente despejadas pela polícia de um imóvel na rua Xavier de Toledo, Anhangabaú.

Neusa Roberti é moradora da comunidade dos Eucaliptos, no Jardim Pery, zona norte. Ela sofre com inúmeros problemas como a falta de água e energia, junto a mais de 440 mil casas localizadas em favelas de São Paulo. Desde 2011, o aluguel é o fator que mais leva ao déficit habitacional.

Já o catador de recicláveis Francinaldo Souza, morador do bairro do Glicério, mostra a situação de moradias precárias como é o caso dos cortiços (são 80 mil domicílios em cortiços na cidade, 113 apenas no Glicério).

Assista abaixo e entenda mais sobre o problema da moradia:


Direção e roteiro: Iuri Barcelos e Ciro Barros

Fotografia: Iuri Barcelos

Assistente de câmera: Fernando Guimarães

Artes e finalização: Bruno Fonseca

Coordenação: Thiago Domenici

Direção de jornalismo: Marina Amaral

2 comments

  • Luísa Mahin

    A bagunça vem desde a suposta abolição da escravidão, que não foi dada pela princesa mas arrancada con sangue do sistema por aqueles que se pos contra o sistema. Hoje também temos de se por contra esse sistema, aproveitar a bagunça e não mais aceitar reformas, mas um sistema novo onde em cada desição lutará contra as desigualdes dessa sociedade. Basta. Ávila para presidente. Estaremos lá juntos lutando sempre por nós mesmos.

    • Luísa Mahin

      A bagunça vem desde a suposta abolição da escravidão, que não foi dada pela princesa mas arrancada com sangue do sistema por aqueles que se pos contra o sistema. Hoje também temos de se por contra esse sistema, aproveitar a bagunça e não mais aceitar reformas, mas um sistema novo onde em cada decisão lutará contra as desigualdes dessa sociedade. Basta. Ávila para presidente. Estaremos lá juntos lutando sempre por nós mesmos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *