Alvo de ataques fascistas, caravana de Lula pelo Sul tem protestos, bloqueios e ameaças

Petista chamou manifestantes contrários ao partido de fascistas, adversários da democracia e nazistas

Ex-presidente Lula precisou da proteção de guarda-chuvas para não ser atingido por ovos. | Foto por Reuters

Com ovadas e pedradas. Foi assim que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi recebido neste domingo (25) em São Miguel do Oeste (SC). No início da tarde, ao entrar na cidade, carros que integram a caravana do petista foram atingidos com ovos e pedras. Vidros de 2 dos 3 ônibus ficaram trincados.

Para o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), o que aconteceu foi um “atentado criminoso”.

À noite, o ex-presidente precisou da proteção de guarda-chuvas para não ser atingido por ovos que eram jogados de um prédio próximo ao local do comício.

Ao discursar, segundo o UOL, o petista afirmou esperar que a Polícia Militar tivesse “a responsabilidade” de entrar no imóvel para “pegar esse canalha e dar o corretivo nele que ele precisa ter para não tacar ovo nas pessoas”.

“Esse cara ou é um débil mental ou não tem o menor apreço por qualquer ser humano, porque esse canalha deveria saber que tem crianças aqui.”

Esses episódios não são isolados. A caravana pela região Sul do Brasil, iniciada na última segunda-feira (19), não tem sido nem um pouco agradável para o petista.

Se no Nordeste Lula enfrentou alguns bloqueios pelo trajeto motivados pelo clamor popular, na parte de baixo do mapa o sentimento tem sido um pouco diferente.

Logo em sua 1ª parada, na cidade de Bagé, fronteira com o Uruguai, Lula sentiu que o clima poderia não ser favorável.

As manifestações tiveram de tudo: Pixuleco, boneco de Lula em tamanho real e vestido como presidiário, cavalos com a garupa pintada com os dizeres ‘Lula ladrão’ e tratores tentando bloquear a passagem da caravana.

Depois de passar também por Santana do Livramento, cidade na qual se encontrou com Pepe Mujica, ex-presidente do Uruguai, Lula foi impedido por trabalhadores rurais de entrar em Passo Fundo, no Rio Grande do Sul.

Em Santana do Livramento, manifestantes contrários ao ex-presidente entraram em choque com simpatizantes do petista. | Foto por Reuters

Os manifestantes contrários ao petista bloquearam as estradas com tratores e obrigaram a caravana a alterar o trajeto para Chapecó, em Santa Catarina.

Discurso inflamado e promessa de ‘porrada’

A passagem por Chapecó (SC) foi ainda mais turbulenta. Lula fez um discurso inflamado, chegando a chamar os manifestantes contrários ao PT de fascistas e nazistas.

O ex-presidente da República ainda prometeu “dar porrada” naqueles que, por ventura, não o respeitarem, conforme noticiou o jornal Folha de S.Paulo.

“A gente vai dar é porrada se não respeitarem a gente. Não queremos briga, mas nós não fugiremos dela.”

A confusão em Chapecó terminou com o ex-deputado Paulo Frateschi atingido por uma pedra atirada por manifestantes ao se colocar em frente ao petista.

Lula seguiu em caravana pelo Sul, passando ainda por São Miguel do Oeste e Nova Erechim antes do encerramento da viagem em Curitiba, capital paranaense.

Denúncia

Nesta segunda-feira (26), a ex-presidente Dilma Rousseff e o ex-ministro Celso Amorim concedem coletiva de imprensa a veículos estrangeiros para “tratar dos ataques ocorridos à Caravana Lula pelo Brasil, por milícias no interior do Rio Grande do Sul”. O PT tem tratado os ataques como “ações fascistas e criminosas” e promete buscar punição.


Fonte: Huffington Post Brasil

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *